sexta-feira, outubro 06, 2006

A maré está a vazar...

Não sei para que escrevo nem para quem escrevo quando as palavras já não servem, sinto-me desesperada e não sei a que recorrer…

Mesmo quando recorri ás flores escrevi para ti…, mesmo quando recorri aos almoços, escrevi para ti, mesmo quando dormi contigo longe do meu sossego, sabes que tudo isso tinha por trás um texto transbordante de palavras de amor e de rimas tontas e imbecis que ilustram o amor intenso…

Amor intenso, é isso e só isso que sinto por ti, mas jogo com palavras e mudo aqui e ali. Para dizer sempre o mesmo, dizer que gosto de ti… e agora as palavras não são amigas porque são muitas e afogam-te de mim… o mar que escrevo enrola e está a vazar por ti!

3 comentários:

Anónimo disse...

Mar
De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo

Aquela praia extasiada e nua

Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.

Sophia de Mello.

L.F.

Molghus disse...

Pufpuf...
Não sou muito de escrever comentários, ainda menos citações. Contudo, já te li a relembrar Pessoa, e recordei-me de Ricardo Reis, seu pseudónimo... Deixo aqui para ti, algo que me confortou antes.

Tão cedo passa tudo quanto passa!
Morre tão jovem ante os deuses quanto
Morre!
Tudo é tão pouco!
Nada se sabe, tudo se imagina.
Circunda-te de rosas, ama, bebe
E cala. O mais é nada.

Ricardo Reis, 3-1-1923

É intemporal... Espero que um dia escrevas por ti, com a alma que escreves esse mar que a todos inunda. Somos refens dessa onda, que vai e volta... relembro-te só que se há algo que nunca falha, é há sempre mais uma onda.
Beijo

RCataluna disse...

Com que então, este é o teu outro blog!!!!

Sim senhor! Vou guardá-lo nos favoritos!

Um bj pra ti e um abraço ao André!